Emagreça comendo Mel

“Uma ou duas colheres de mel tomadas diariamente antes de deitar, pode ajudar você a dormir melhor e a perder peso,” diz Ruth Tan, uma entusiasta do mel, criadora do fantástico site The Benefits of Honey (em português, Os Benefícios do Mel).

Esta afirmativa é no mínimo curiosa… Como o mel, sendo tão doce, ajuda a emagrecer?

Parece lenda! Pois acredite, não é. Para que possamos entender melhor como se dá este processo, vamos rever de forma simples o metabolismo dos açúcares no nosso organismo.

Há cinco tipos de açúcar chamados de monossacarídeos: glucose, frutose, galactose, xilose eribose. Vamos considerar aqui só a glucose e a frutose por serem os mais abundantes açúcares na natureza e os mais usados pelo nosso corpo.  A glucose tem rápida passagem pelo estômago e chagando ao intestino é jogada na corrente sanguínea onde é usada para vários fins, sendo o principal deles gerar energia. Queimamos glucose para trabalhar, brincar, correr, e muita glucose para pensar. Já a frutose vai para o fígado, e lá é transformada em glicogênio, o combustível do cérebro. O fígado é o único órgão que metaboliza a frutose, e embora o cérebro consuma cerca de 60% de toda a glucose disponível no fígado, ele não é capaz de armazená-la, cabendo ao fígado esta função.

A glucose é o combustível mais usado no funcionamento do nosso organismo, mas tecnicamente nosso corpo não precisa de açúcar refinado para obtê-la, pois é capaz de converter proteínas e gorduras em glucose. Outra fonte de glucose não oriunda de açúcares são os alimentos ricos em amido, como massas, batatas, arroz, pães, que contém cadeias extensas de monossacarídeos, chamados de polissacarídeos, por isso são considerados alimentos energéticos.

As dietas modernas contêm grande quantidade de açúcar que em excesso é estocado em forma de gordura. Da mesma forma o fígado pode ser bombardeado com excesso de frutose, e não podemos consumir a sobra a transforma em triglicérides que vão para o sangue, que por sua vez estoca gordura. Para processar excesso de frutose o fígado rouba minerais do sangue, ignora a resposta normal da insulina vinda do pâncreas que controla o nível de glucose no sangue e inibe a secreção da leptina, hormônio que informa o cérebro que estamos “cheios” e devemos parar de comer. No entanto, dificilmente conseguimos sobrecarregar o fígado com frutose natural vindo de frutas. Além de a quantidade ser menor, as frutas contém outros nutrientes saudáveis como vitaminas, minerais e fibras.

Em geral os açúcares encontrados no mercado contêm uma proporção de 1:1 de glucose e frutose. Os mais usados são os açúcares obtidos a partir da cana e da beterraba. A glucose obtida do milho (conhecida como Karo) é um monossacarídeo, isto é, só contém glucose.

Há o FHCS – sigla para designar “Xarope de milho com nível elevado de frutose,” em inglês (High Fructose Corn Syrop) é um açúcar artificial criado a partir da glucose de milho através de um intrincado processo químico que altera a glucose introduzindo frutose na composição.

O FHCS é seis vezes mais doce do que açúcar, e duas vezes mais barato! Um sonho para a indústria de refrigerantes! Mas não é só refrigerante não. Sucos artificiais, sorvetes, bolachas, balas, bolos, enlatados e até pão de hambúrguer de uma grande cadeia de Fast Food usam FHCS. As empresas de refrigerantes, desde a maior do mundo às menores, quase todas usam o FHCS, pois se usassem açúcar de cana diminuiriam consideravelmente seus lucros.

O FHCS Surgiu em 1970, data que coincide com o início da epidemia de obesidade nos Estados Unidos. Em vez de eliminar refrigerantes da dieta, as pessoas acham que correr ou freqüentar academias seja o caminho mais curto para queimar calorias… Será?

Segundo a matemática descrita por Ruth Tan fazendo referência ao livro “The Hibernation Diet” (“A Dieta da Hibernação” que foi traduzido para o português com o título “A Dieta do Mel”): Quando falamos sobre um plano para perder peso, temos que entender que nosso corpo queima quatro tipos de combustível – gordura corporal (do tecido adiposo), gordura dentro de músculo (glucose do fígado (glicogênio) e glucose estocado nos músculos. A taxa da queima destes combustíveis durante exercício pesado ou aeróbico é de 20% de gordura e 80% de glucose. Durante o sono este metabolismo é inverso, queimamos 20% de glucose e 80% de gordura.

O Dr. Mike McInnes, um farmacêutico e bioquímico inglês, estudou e pesquisou durante 10 anos a fisiologia do fígado. O resultado foi o livro “A Dieta do Mel”. Como o fígado tem o papel principal no processo de recuperação das células, e não consegue estocar mais do que 73g de glicogênio, muitas vezes vamos dormir com um fígado depauperado de combustível (frutose), para comandar toda esta fisiologia da renovação celular noturna. Por isso dormimos mal, temos suores noturnos acompanhados de um rosário de outras sensações desagradáveis. Como resultado acordamos exaustos e ainda levamos aquele susto quando nos olhamos no espelho… Mas pior do que cara feia são os resultados deletérios de uma noite mal dormida. Porque não queimamos gordura, ela se acumula em locais indesejados além do aparecimento de doenças como hipertensão, diabetes, depressão, obesidade e aterosclerose, com o acúmulo de gordura nos vasos sanguíneos.

Então, como garantir um sono profundo e reparador? Mike McInnes acredita que o mel de abelhas seja a resposta. Ele é o único açúcar 100% natural. Além disto, o mel entra no nosso organismo com a glucose e a frutose já invertidas porque as abelhas secretam a enzima invertase ao coletar a sacarose do néctar. Daí a crença popular de que o mel é leve porque a abelha já digeriu! Uma ou duas colheres de sopa de mel uma hora antes de deitar, diluídas em chá, leite morno ou direto do pote, pode reabastecer o fígado com o combustível necessário para que ele trabalhe de forma eficiente durante toda a noite.

Caro leitor, nosso desejo é que as considerações acima o tenham conscientizado dos perigos que o excesso de açúcares processados inflígem ao nosso organismo. Descubra hoje mesmo os enormes benefícios do mel! O mel é o único adoçante do planeta que trabalha por nós e não contra nós. E se você estiver seriamente pensando em começar uma dieta, a boa notícia é: perder peso nunca foi tão doce…

 

 

 

Quer fazer parte da nossa equipe? Envie e-mail para rh@waxgreen.com.br
Rua Pr. Jerônimo G. Garcia, 9
Jd. IAE - 05890-140
São Paulo/ SP - Brasil
Contato: Fone: +55(11) 5822 4030
Mail: waxgreen@waxgreen.com.br